Mato Grosso do Sul terá que indenizar homem preso injustamente

Antes de prender um cidadão, é dever da autoridade policial fazer diligências mínimas para assegurar ao menos indícios da autoria do crime investigado.

Mato Grosso do Sul terá que indenizar homem preso injustamente 1
Homem foi preso com base em informação errada no sistema da Polícia Civil de MS

Reprodução

Esse foi o entendimento da 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ-MS) para acatar recurso de um homem preso preventivamente e majorar indenização por dano moral.

No caso, a Polícia Civil, em meio a uma investigação por crime de furto, encontrou um celular em um dos carros utilizados para prática do delito. De posse do aparelho, os agentes pesquisaram o número no Sistema Integrado de Gestão Operacional — Central de Comando e Controle (Sigo-CADG) para verificar a titularidade da linha.

Após a identificação a Polícia Civil pediu a prisão preventiva, que foi deferida pelo juiz. O autor da ação foi preso em seu local de trabalho. Ocorre que o número do telefone que constava no sistema não era do acusado, mas de outra pessoa.

O autor da ação chegou a ficar dois dias preso e processou o estado de Mato Grosso pedindo indenização por danos morais. A primeira instância estipulou a indenização em R$ 20 mil, e o acusado então apresentou recurso para majorar esse valor.

Ao analisar o caso, o relator no TJ-MS, desembargador Luiz Antônio Cavassa de Almeida, apontou que além da autoridade policial, o Ministério Público também reconheceu o erro na prisão do acusado.

“Sem dúvida, o encarceramento do autor foi indevido, fato este incontroverso inclusive, tratando-se de grave falha do Poder Público, que por ato de seus agentes, não efetuaram qualquer diligência antes de efetuar a prisão de um indivíduo”, escreveu o relator em seu voto que reconheceu a responsabilidade objetiva do Estado no caso.

O julgador também ponderou que o fato de o autor da ação ter sido preso, em horário comercial, no seu local de trabalho configura dano moral indenizável. “Se tanto não bastasse, após ter sido colocado em liberdade, o autor foi demitido por justa causa”, registrou.

Diante de todos esses elementos, o relator votou pela majoração da indenização ao homem acursado injustamente de R$ 20 ml para R$ 50 mil.

Processo 0833248-47.2019.8.12.0001

FONTE: CONJUR

Gostando do conteúdo? Compartilhe!

2 respostas

  1. Can you be more specific about the content of your article? After reading it, I still have some doubts. Hope you can help me.

  2. At the beginning, I was still puzzled. Since I read your article, I have been very impressed. It has provided a lot of innovative ideas for my thesis related to gate.io. Thank u. But I still have some doubts, can you help me? Thanks.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *